Os exames pré-nupciais

Nos dias de hoje, normalmente, as mulheres não esperam o casamento para procurarem um ginecologista. Isso já é feito na adolescência, uma vez que as atividades sexuais começam muito antes do casamento. Às vezes as adolescentes são levadas pelas próprias mães para uma consulta ao ginecologista. Às vezes vão por conta própria, ou então por incentivo de amigos ou mesmo namorado.




Porém, é de suma importância a prevenção tanto antes do início da atividade sexual quanto antes do casamento.




A mulher deve escolher um ginecologista de sua inteira confiança com quem possa se abrir e ser sincera em ralação a todos os problemas. Neste âmbito a relação médico-paciente é extremamente rica, envolvendo, por vezes, a família e se perpetuando nos pré-natais e futuros partos.




A orientação pré-nupcial não envolve apenas a realização de exames para garantir a saúde, mas também visa que o profissional demonstre respeito, compreensão, segurança e conhecimento para que a paciente se sinta plenamente acolhida na consulta esclarecendo todas as dúvidas e aflições.Atualmente esses exames pré-nupciais visam a diagnosticar doenças tratáveis ou que possam interferir na vida sexual do casal, em futuras gestações ou indicar prevenções por meio de vacinas.




Os exames pré-nupciais rotineiros para a mulher são: Papanicolau; Hemograma completo ( avaliar se há anemia, alterações de glóbulos brancos, ou de células da coagulação denominadas plaquetas), tipagem sangüínea ( identificar o tipo de sangue), reações sorológicas para a sífilis, sorologia para a rubéola (se a paciente não for imune à rubéola, deve ser vacinada e não engravidar pelo menos, por três meses); sorologia para hepatite B e C; sorologia para HIV; exame de urina e fezes.




Os exames pré-nupciais para homem são: o hemograma; exame de urina e fezes, as sorologias para sífilis, hepatite B e C e HIV, tipagem sanguínea e o espermograma (condições de fertilidade). O espermograma é muito importante, pois permite que o casal faça um planejamento familiar. O casal precisa também ser avaliado quanto à idade e quanto às doenças hereditárias ou alterações genéticas.




É muito importante que o casal tenha pleno conhecimento sobre todos os aspectos comentados, pois faz com que as assistências médicas se tornem muito mais adequada e que o vínculo entre médico e paciente se torne muito mais forte.